7 sinais que você tem açúcar elevado no sangue

Veja aqui os 7 sinais que você tem açúcar elevado no sangue e comece a se cuidar para não ter diabetes.

Os sete sinais que podem revelar um alto risco de diabetes

1. Ganho de peso e formação de gordura abdominal. Se, por outro lado, o peso diminui sem alterar a nutrição diária, isso já pode ser um sinal de diabetes em progresso.

2. Sonolência após as refeições.

3. Ataques repentinos e frequentes de fome.

4. Problemas de estômago.

5. Dores de cabeça freqüentes.

6. Freqüência cardíaca alterada.

7. Coceira generalizada na pele.

O problema do excesso de açúcar

A Organização Mundial da Saúde (OMS) elaborou novas diretrizes recomendando reduzir a ingestão diária de açúcar (indicando o termo glicose, frutose, sacarose, mesmo que contido em bebidas e alimentos) só 5% da energia diária total é assimilada pela comida: em prática não mais de 25 g diariamente (mas devemos considerar que, por exemplo, uma lata de bebida contém aproximadamente 40 gramas e uma xícara clássica de café 5 gramas) .

7 sinais que você tem açúcar elevado no sangue
7 sinais que você tem açúcar elevado no sangue

As confirmações da ciência

Segundo evidências científicas, os adultos que consomem açúcar dentro dos limites indicados pela OMS têm menor peso corporal e correm menos risco de desenvolver doenças do coração e do cérebro. Mas reduzir apenas esse elemento não é suficiente. Também é necessário substituir o pão, a massa e os grãos refinados por grãos integrais, já que os açúcares dos produtos refinados no sangue se comportam exatamente como a sacarose.

Erros e soluções na mesa

Um cardápio composto por um prato de macarrão branco bem feito com molho de tomate e uma sobremesa dá origem a uma combinação de alimentos que pode facilmente criar uma grande quantidade de açúcar no sangue, aumentando a gordura abdominal.

Um cardápio composto por um prato de macarrão integral al dente, um segundo com legumes e um chocolate amargo sem açúcar como sobremesa manterá o açúcar no sangue equilibrado e contribuirá para a perda de peso e redução do tamanho da cintura, mesmo que haja maiores calorias em relação ao cardápio anteriormente descrito.

O que acaba de ser dito acontece porque para influenciar a absorção de carboidratos de um alimento contribuem sua cocção, assim como as fibras, proteínas e gorduras consumidas na mesma refeição.

Na prática, as fibras presentes na massa integral, mas especialmente nas hortaliças, absorvem parte dos açúcares fornecidos pela refeição impedindo sua assimilação, enquanto as proteínas e gorduras (devem ser de boa qualidade) tendem a retardar o tempo de esvaziamento gástrico, reduzindo o pico glicêmico pós-prandial. Finalmente, o macarrão cozido al dente é absorvido mais lentamente.

Quer saber mais sobre a prevenção do diabetes na mesa? Acompanhe sempre nosso site!!!

Aloe Vera: descubra as propriedades curativas

Saiba aqui os benefícios e as propriedades medicinais e curativas da planta Aloe Vera, também chamada de babosa no Brasil.

As Propriedades curativas da Aloe Vera

A Aloe Vera é caracterizada por ter folhas carnudas, suculentas e margens serrilhadas. Do centro da planta desenvolve-se uma flor de forma tubular, com hastes longas, predominantemente de cor vermelha. Das folhas da aloe vera é possível obter dois tipos de extratos: um suco condensado e um gel. Usados ​​como substâncias terapêuticas, possuem diferentes constituintes químicos, indicações e interações medicamentosas.

O Suco de Aloe Vera é laxante e purificante

O suco condensado, que muitos chamam de “baba” é obtido principalmente dos túbulos externos, localizados abaixo da epiderme da folha.

Com propriedades laxantes, a Aloe é usada contra constipação atônica (com fezes endurecidas). Você toma uma colher de sopa de suco das refeições por curtos períodos. A mesma dosagem também é indicada para aqueles que desejam obter um efeito purificador em todo o organismo.

Aloe Vera gel regenera a pele

O gel fresco contido nas folhas carnudas da Aloe Vera tem um efeito regenerador nos tecidos da pele. O uso tópico do gel de Aloe Vera é particularmente eficaz nos seguintes casos:

  • Inflamações e Dermatite: Aloe tem um poderoso efeito anti-dor e anti-inflamatório. A composição química da babosa inibe a produção de neurotransmissores produzidos localmente a partir de tecidos danificados, que causam dor e vermelhidão nas inflamações da pele. O gel desta planta também é adequado no caso de dermatite bacteriana devido às suas propriedades antibacterianas.
  • Escoriações e feridas: a ‘ aloé vera estimula e acelera a regeneração das células dos tecidos danificados, promovendo assim a cicatrização.
  • Eritemas solares e queimaduras leves: o efeito calmante e refrescante da aloe vera dá alívio às queimaduras solares e estimula a renovação da pele.
  • Além disso, o Aloe Vera tem uma ação de proteção contra os raios UV, melhora a microcirculação e é um excelente ingrediente para cosméticos anti-envelhecimento. Utiliza-se aplicando uma camada fina nas áreas afetadas e absorvendo com uma massagem suave. Se aplicado em feridas, o ponto danificado é coberto com gaze estéril e não massageado.

Aloe Vera: contra-indicações

Os efeitos colaterais estão presentes se o gel à base de aloe vera é tomado internamente: o gel não purificado por antraquinonas e o suco da planta obtido pela mistura da folha inteira são frequentemente responsáveis ​​por irritação gastrintestinal. As contra-indicações são as mesmas que o suco. As possíveis interações são com quimioterápicos ou outras drogas gastrolépticas.

O uso de suco de aloe vera pode, em alguns casos, levar a efeitos colaterais, como hemorróidas e inflamação intestinal. Entre as contra-indicações estão: gastrite , colite , divertículos, apendicite, dor abdominal em geral, obstrução intestinal, gravidez e lactação. O uso excessivo e prolongado de laxantes de antraquinona (sena, de aloé, ruibarbo, espinheiro, Cascara) pode envolver várias interacções com outras drogas ou plantas medicinais, cardiotónicos (digitalis, adonide, lírio do vale, cila, Strophanthus, etc). Além disso, pode aumentar a toxicidade de alguns medicamentos ou reduzir sua absorção.

Saiba aqui os benefícios e as propriedades medicinais e curativas da planta Aloe Vera, também chamada de babosa.
Saiba aqui os benefícios e as propriedades medicinais e curativas da planta Aloe Vera, também chamada de babosa.

Onde cresce a Aloe Vera

A Aloe Vera é uma planta nativa suculenta da África central, mas o habitat em que ela cresce é muito diversificada: inclui tanto a bacia do Mediterrâneo, como países orientais como a Índia, as ilhas do Oceano Índico, Estados Unidos e México até chegar à Venezuela e Oceania.

Sob este nome estão listadas numerosas espécies (cerca de 250), todas pertencentes ao gênero Liliaceae.

A aloe vera cresce selvagem em solos secos e calcários, mas também pode crescer em nossos jardins, varandas e terraços: o importante é criar um mínimo de condições e de solo adequado, que deve ser preenchido com areia de rio e de material argiloso (argila, pedra-pomes), apenas para maximizar a permeabilidade do solo.

Saiba mais: aloe vera, uma planta com uma tradição antiga

A Aloe Vera tem sido conhecida há séculos por suas propriedades medicinais e é notável que os usos antigos desta planta são os mesmos que hoje, tanto no Ocidente quanto no Oriente.

O nome de aloe vera pode derivar do alua árabe , isto é, amargo, ou do halat hebraico, com o mesmo significado, clara alusão ao seu sabor amargo.

Os antigos egípcios, de acordo com uma tradição que foi transmitida até hoje, costumavam plantar aloe vera na entrada de uma nova casa, a fim de garantir uma vida longa e felicidade.

Citações sobre os poderes de cura de aloe vera são encontrados em livros de medicina da dinastia Sung, datado por volta de 1276 AC, e parece que Nefertiti e Cleópatra usavam sua polpa em seu rosto como um hidratante para manter a pele jovem.

Na Grécia antiga, o suco de Aloe Vera misturado com mirra era utilizado para desinfectar a cavidade oral, e Christopher Columbus observou em seus diários como extrato de aloe vera era algum tipo de remédio caseiro para tratar os marinheiros que ficavam muito tempo atravessando o oceano.